A história dos compartilhadores de arquivos

Você os usa basicamente todos os dias, mas por acaso sabe qual a história por trás deles?

Os compartilhadores de arquivos fazem parte de nossas vidas, não há dúvidas quanto a isso. Eles são fáceis de usar, permitem que você baixe diversos arquivos e dificilmente o seu serviço para para receber manutenção.

Os compartilhadores de arquivos surgiram aproximadamente no final dos anos 1990, entretanto, o ato de compartilhar arquivos teve início por volta da década de 1970, ou seja, arquivos já são compartilhados há praticamente 40 anos! Embarque conosco nesta viagem no tempo e descubra como se deu a modernização e popularização do compartilhamento de arquivos!

O início de uma nova era

Basicamente, o compartilhamento de arquivos começou via disquete (na verdade o avô daquele que conhecemos, criado pela IBM) no início dos anos 1970, prática tal que foi se tornando, e continua a ser, muito comum, uma vez que trocar arquivos parece ser algo inerente ao uso de computadores.

Poucos anos depois, o sistema BBS (Bulletin Board System – aquele de letras verdes e fundo preto), o precursor da internet como a conhecemos, tornou-se um grande aliado à troca de arquivos. Pois, em tal sistema era possível enviar e baixar arquivos, bater papo com outros usuários, jogar jogos online, etc., porém só era possível acessá-lo usando uma linha telefônica. Pouco tempo depois surgiu a “Usenet”, uma espécie de grupo de notícias que ao invés de usar um único servidor, usava vários, fato que agilizava a troca de informações.

Anos oitenta

Esta foi uma época em que o compartilhamento de arquivos aumentou consideravelmente. Tal fato se deve ao surgimento do ainda usado FTP (Protocolo de Transferência de Arquivos), serviço no qual você se conecta a um servidor para hospedar um arquivo nele e, também, ao nascimento do lendário IRC. Esse último pode ser entendido como um serviço onde pessoas poderiam se conectar a um servidor e escolher entre várias “salas de bate-papo” (canais), nas quais era (e ainda é) possível conectar seu computador ao de outro usuário e efetuar transferências de arquivos.

Nasce a World Wide Web (internet) e o MP3

Se nos anos 1980 a transferência de arquivos aumentou, nos anos 1990 ela se alastrou como uma praga (no bom sentido). Isso porque logo no seu início surgiram tanto a internet como o formato MP3 de músicas, o qual diminuiu drasticamente o tamanho de músicas. Porém, mesmo tendo sido padronizado em 1991, o formato MP3 demorou até 1997, com o lançamento do Winamp, para ter um aumento significativo em seu uso.

Por sua vez, com o aumento da procura por arquivos em MP3, o compartilhamento aumentou, fazendo surgir a necessidade de um método mais simples de troca de arquivos, uma vez que fazê-lo via FTP ou IRC não é algo muito prático.

Como uma forma de facilitar a procura por MP3s, o Napster foi lançado, serviço esse que pode ser considerado o primeiro P2P (peer-to-peer), pois era capaz de gerar um lista com os resultados encontrados nos usuários conectados ao serviço. No entanto, o Napster não era totalmente P2P, pois usava servidores centrais para manter as listas de usuários e arquivos sempre atualizadas, apesar disso, a transferência de arquivos não usava tais servidores, mas sim, conectava um computador ao outro para realizar a transferência.

Se já existiam outros serviços de compartilhamento de arquivos, então por que o Napster ficou famoso?

Outros serviços serviam para a troca de arquivos em geral, já o Napster era especializado em arquivos MP3 e, além disso, oferecia um visual muito mais bonito que os outros e era mais fácil de usar. Como resultado disso, sua popularidade aumentou muito, fazendo com que a variedade de opções de músicas crescesse e que a indústria da música começasse a se sentir prejudicada por sua existência, uma vez que muitas pessoas começaram a baixar músicas ao invés de comprar de CDs.

A queda do Napster

Poucos meses após seu lançamento, o Napster já havia sido processado pela Associação da Indústria de Gravação da América (RIAA) por violação de direitos autorais. Algum tempo depois, artistas como Metallica, Dr. Dre e Madonna descobriram que músicas suas, ainda não lançadas, já estavam circulando pela rede do Napster, fato que os fez também processar a empresa.

Com o tempo, o número de processos somente aumentou e a justiça mandou que o Napster impedisse o compartilhamento de músicas com direito autoral e que ele pagasse mais ou menos 36 milhões de dólares para os detentores dos direitos autorais infringidos e mais um adiantamento para infrações que pudessem vir a acontecer. Devido a isso, o Napster tentou passar a ser um serviço pago, fazendo com que seu número de usuários diminuísse drasticamente e, depois de algumas tentativas de se reerguer, o Napster foi forçado a declarar falência.

Novas redes P2P

Enquanto o Napster e o MP3.com (mais detalhes sobre ele adiante) sofriam retaliação, novas redes e programas de P2P foram lançadas no início do milênio. As redes que se destacaram foram a Gnutella (por considerar todos os PCs conectados a ela como iguais, não tendo, por isso, um servidor central), o eDonkey2000, a Freenet (primeira rede a trabalhar no anonimato, ou seja, escondendo as informações sobre os usuários e suas ações) e a FastTrack do Kazaa. Por sua vez, os programas que mais se destacaram foram o Kazaa, Morpheus, LimeWire, Shareaza, entre tantos outros.

Em 2001, a desativação do Napster fez com que os seus usuários migrassem para outras redes P2P, fato esse que não impediu que tal tipo de compartilhamento de arquivos perdesse procura, muito pelo contrário.

Torrent

Diferentemente de outros programas, aqueles que usam o protocolo de transferência BitTorrent (o qual mesmo tendo sido lançado em 2001 já era responsável por 35% das transferências da internet em 2002) não precisam necessariamente de uma rede. Isso devido ao fato de que para efetuar uma transferência a única coisa que se deve fazer, em linhas gerais, é criar um arquivo “torrent” com informações sobre o arquivo a ser enviado e sobre as coordenadas do computador.

Devido a facilidade de distribuição proporcionada pelo protocolo BitTorrent, diversos sites passaram a ser criados com a finalidade de facilitar o compartilhamento de arquivos através de um “estoque” de arquivos em “torrent”, como por exemplos os sites The Pirate Bay e o MiniNova.

A questão legal

Antes do Napster, existiu um site chamado MP3.com, lançado em 1997. Nele existiam milhões de músicas consideradas legais, porém, quando ele resolveu abrir seu conteúdo para que usuários pudessem enviar músicas, acabou sofrendo do mesmo destino que o Napster.

Ou seja, quando um serviço usa um servidor central para guardar músicas ou listagens de músicas, ele sofre retaliação tanto da indústria, quanto dos artistas. Contudo, se uma rede usa totalmente o sistema P2P (o que é raro) isso não acontece, pois não há um servidor central.

A culpa pela infração de direitos autorais sempre vai cair sobre alguém e, no caso de sistemas 100% P2P, a culpa cai sobre aqueles que realizaram os downloads ilegais. Porém, como pode ser visto recentemente, sites como The Pirate Bay, os quais distribuem arquivos “torrent” (totalmente P2P), podem ser acusados de “facilitar” ou até mesmo “incentivar” a pirataria de arquivos com direitos autorais, sendo por isso, os novos alvos das indústrias antipirataria.

O futuro do compartilhamento de arquivos

Como você já deve estar sabendo, o futuro mais provável da internet como um todo se resume a uma coisa: a “cloud computing” (computação em nuvem), ou seja, não será necessário baixar mais nada, pois tudo estará localizado na internet (nas nuvens). Exemplos disso provavelmente já fazem parte do seu cotidiano, como por exemplo o YouTube e outros serviços como rádios online e videogames OnLive.

Enfim, o compartilhamento de arquivos progride juntamente com as novas tecnologias e acompanha o mesmo ritmo da internet, de um modo geral. Ou seja, se a moda for a computação em nuvens, com certeza o compartilhamento de arquivos deixará de envolver a realização de downloads e passará a ocorrer de outra forma (ainda não definida).

E você? Também acha que o futuro será assim? Gostaria de acrescentar alguma informação omitida no artigo? Então sinta-se em casa e comente à vontade!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: